Jornal Com Distribuição Mensal nas Zonas Norte (Tijuca - Vila Isabel - Grajaú - Andaraí) e Sul (Botafogo - Urca - Humaitá) do Rio de Janeiro
 
 home / página incial
 siga o correio carioca no twitter
 correio carioca no facebook
 
Milton Nascimento

Entrevista publicada em novembro de 2011 na Zona Norte.

Com voz marcante e célebres composições consagrado artista brasileiro detém grande quantidade de prêmios e possui legião de fãs em muitos países conquistados ao longo de sua trajetória artística

Milton Nascimento, consagrado artista brasileiro, vencedor de inúmeros prêmios, nacionais e internacionais, concedeu entrevista exclusiva ao Correio Carioca.

Início

Correio Carioca- Como foi o começo de sua carreira musical e quais foram as maiores dificuldades encontradas na época?
Milton Nascimento- Fui criado em Três Pontas (MG), e lá foi onde tudo começou. Todas as coisas que eu sei de música foram aprendidas lá. Os amigos que começaram tocando comigo também são trespontanos, como o Wagner Tiso, de quem sou amigo até hoje. E as dificuldades que nós passamos foram as mesmas de qualquer pessoa que está iniciando algo na vida. Principalmente quando se é muito jovem.

Porque optou pela profissão? Havia músicos em sua família?
Foi tudo muito natural, não teve nada planejado. Minha mãe, Lília, era uma pessoa muito musical, e tinha até participado de um coral no Rio de Janeiro regido pelo maestro Villa-Lobos. E meu pai, Zino, também gostava muito de música clássica. Então, isso me influenciou bastante. Meus primeiros instrumentos foram conseguidos dentro de casa.

Você teve outras profissões antes de iniciar a carreira de músico?
Quando eu tinha por volta de treze anos de idade eu fui radialista e programador de uma rádio em Três Pontas. E antes dos quinze eu já trabalhava profissionalmente como músico, inclusive viajando. Depois, mais tarde, quando cheguei a Belo Horizonte, aos vinte e poucos anos, fui trabalhar como datilógrafo no escritório da empresa Furnas, na Praça Sete.

Quais foram suas influências musicais no início?
Além de muita música brasileira, sempre ouvi bastante música francesa, cubana, italiana, americana. Mais tarde ouvi também muita coisa da América Latina.

Carreira musical

O grande sucesso Travessia é de sua autoria?
Travessia é uma música minha com letra de Fernando Brant.

A música Coração de Estudante tornou-se símbolo das Diretas Já e da morte do presidente Tancredo Neves. O que ela representa para você, levando-se em conta que foi marcante num momento muito importante da história do Brasil?
Assim como muitos outros artistas, eu também participei da campanha pelas Diretas Já! É uma pena que a emenda não tenha sido aprovada na época, mas já foi um passo muito importante para enterrar de uma vez a ditadura militar no Brasil e, ao mesmo tempo, celebrar a volta da democracia.

Com que celebridades você já se apresentou?
Em todos estes anos de estrada foram muitas pessoas: Wayne Shorter, Ron Carter, Herbie Hancock, Elis Regina, Tom Jobim, Mercedes Sosa, Sarah Vaughan, Paul Simon, James Taylor, Peter Gabriel, Sting, Pablo Milanês... Enfim, por aí vai.

Em quantos países você já cantou?
Foram tantas turnês pelo mundo que é até difícil contar. Fazendo uma conta simples, acho que são mais de trezentas cidades em solo estrangeiro. Pois desde que eu gravei o disco Courage, em 1968, nos EUA – quando eu tinha 26 anos de idade - que faço shows em vários lugares fora do Brasil. E até hoje sempre sou chamado para apresentações em praticamente todos os países da América do Sul, Europa, Ásia, África e, frequentemente, América do Norte, onde fiz uma turnê entre junho e julho deste ano que passou por Canadá e várias cidades dos EUA, como Nova York, San Francisco e Seattle.

Com que parceiros já compôs?
Márcio Borges, Fernando Brant, Ronaldo Bastos, Chico Buarque, Caetano Veloso, Gilberto Gil, muita gente...

Quantos discos você já vendeu?
Acredito que deve ser entre 20 e 25 milhões no mundo todo.

Quais foram os maiores prêmios nacionais e internacionais que você já recebeu?
Nacionais foram muitos, mas os que me marcaram mesmo foram os quatro prêmios Grammy.



Pessoal

Você nasceu no Rio de Janeiro. Por que muitas pessoas acreditam que você é mineiro?
Porque eu fui morar ainda muito novo em Três Pontas (MG), e fiquei morando em Minas até minha adolescência.


Shows e contato

Quando e onde será realizado seu próximo show?
Volta Redonda (12 de novembro), Lumiar (14 de novembro), Niterói (20 de novembro), São José do Rio Preto (SP) no dia 26 de novembro. E vamos gravar o DVD do meu mais recente disco, “E a Gente Sonhando”, nos dias 3 e 4 de dezembro em Juiz de Fora (MG). 

Gostaria de divulgar site e telefone para contato?
Quem quiser falar comigo pode enviar um recado através do site:
www.miltonnascimento.com.br.

 

 

 
 
« veja outras entrevistas
 
 
 
 
© Correio Carioca   -   Expediente   -   Política de Privacidade   -   Anuncie   -  Fale Conosco